Archive for the ‘escultura’ Category

MUITA criatividade com garrafa pet

D. Neide é um senhora muito criativa, vizinha da minha irmã, que decidiu dar a sua contribuição para deixar o planeta com menos lixo. Nesse caso o “lixo” são garrafas pet que se transformaram em um jardim divertido, casinha de boneca e um inusitado quarto de hóspede, local em que seus 5 netos se divertem quando visitam a  “casa reciclada” da vovó. Além disso, D. Neide tem um ateliê e vende suas obras em um espaço muito colorido e cheio de ideias!

Confiram as criações da D. Neide:

Jardim

Assim que se chega na casa da Dona Neide, a surpresa fica por conta do jordim, todo colorido

Ela tem todo o trabalho de pintar, perfurar e transformar as pets

O jardim também tem mesinhas e luminárias

Depois do jardim, encontramos uma casinha de boneca

Olha que interessante a cortina, feita com tampinha de garrafa

A parte mais interessante da casa é o quarto de hóspede, lembrando até uma casa na árvore! A casa tem toda segurança de uma construção de alvenaria, com muita luminosidade e janelas grandes para ventilação. A estrutura das camas também são de garrafa pet. Confiram:

Chegamos ao ateliê Reclicar & Criar:

Pefeitas, nem parecem garrafa PET

Vasos, castiçais, porta pregador, tudo que a imaginação permite

Lucas e Renan se divertiram com os brinquedos inventados pela D. Neide

Olha ela aí, a autora das artes:

Para quem se interessar e estiver passando por Campo Limpo Paulista (cidade perto de Jundiaí), agende uma visita pelo telefone: 11-4038-7040. Ela também aplica oficinas em escolas e na casa dela.

Quem gostou, comente!!!!!!

No mês de agosto o (re)aproveite faz um ano!!!! Pretendo fazer um sorteio, mas só participa quem comenta!! 🙂

Anúncios

Urban Trash Art

Me orgulho tanto de ter amigos artistas, seja com o corpo, palavras, mãos …todos são muito criativos.

Apresento aqui as esculturas do Rodrigo Machado (agradeço a Nani por apresentar essa mente brilhante!). Ele e seu parceiro, Cleber Padovan, fazem uma arte excepcional pelas ruas de sampa.  Simplesmente transformam lixo em esculturas, e isso é a cara do meu blog!!

Eles recolhem os materiais, normalmente lixos descartados nas ruas, escolhem o local da instalação e transformam o lixo em algo “vivo”, reutilizam materiais que ninguém se importa mais. A forma da escultura é definida de acordo com o material encontrado.

Essa aqui é o Rinoceronte pavão, instalada na Av. Faria Lima (SP).

Essa aqui é a carroça chopper

Alguns acham estranho, mas os meninos estão conseguindo chamar atenção. A mídia já divulgou o trabalho deles.  Já saíram na revista Época, MTV, All TV, entre outros.

PARA QUEM ESTÁ EM SAMPA, o Urban Trash Art (UTA) fará exposição na Serralheria  (http://www.escapeserralheria.org). Minha linda Nani Brisque também estará na exposição com seus trabalhos.

Links relacionados:

Conheça mais o trabalho dos artistas: www.urbantrashart.blogspot.com

Vejam o que a Nani aprontou no muro da TV Cultura: http://www.youtube.com/user/nanibrisque#p/a/u/0/4XSjxq6U49k

Serviço:

Exposição UTA no Serralheria – de 19 á 21 de Março

A mostra acompanhará a programação normal de eventos da SERRALHERIA.

19/03 – Dada Jazz com Otis Quintet

20/03 – Saravá Serralheria /Samba deLucas Sales

21/03- Festival de hardcore/ Clangor, Forbbiden Ideias, Cúmplice livre

Para horários e preços – consultar a agenda Serralheria

Termino esse post com mais uma artista, Martita Madalon escreveu essas sábias palavras em homenagem ao UTA. Vale a pena ler:

o espaço dos artistas é a rua
a matéria-prima o lixo
a fonte de inspiração o improviso
ocupação de espaços públicos
arte efêmera e que sai do lixo
recriação do que está reinutilizável

o movimento desses artistas urbanos me faz refletir que já passou da hora de repensarmos nossos hábitos de consumo, nossos valores, e agirmos com mais consciência e responsabilidade em relação ao lixo

o problema do lixo diz respeito a todo mundo
o desenvolvimento estimula o consumo, que por sua vez, é um dos grandes responsáveis pela produção de tanto lixo

reciclamos garrafas pet e latinhas no Brasil, e outros materiais também, mas proporcionalmente ao volume de lixo que é gerado, de todo tipo, ainda representa pouco

o que eles estão fazendo, é ativismo ambiental na veia, que usa a arte como meio e fim, um alerta, uma forma poética de enxergar o lixo e através da expressão artística atribuir outro significado para algo que aparentemente está morto, e com o qual ninguém se importa mais

a U.T.A é um manifesto, um grito, uma voz rompendo o silêncio no meio do barulho da metrópole!

Marta Madalon, comunicadora multimídia